Portal Promutuca

Twitter Flickr YouTube Google Facebook

Carta aos síndicos - Uma nova proposta de contribuição para a ProMutuca


Carta distribuída aos síndicos dos condomínios associados à Promutuca, com o objetivo de mostrar-lhes a necessidade de se repensar a participação dos moradores na manutenção da entidade. Ela precisa ter sua receita aumentada para ter condições de ampliar sua atuação e atender às demandas que recebe. A proposta é de que cada família contribua com R$ 8,00 por mês. 

 

Nova Lima, 08 de março de 2013.

Prezado Síndico,

A Promutuca já existe há mais de 20 anos. Formouse pela necessidade dos moradores locais, em número bem menor aos dos dias atuais, em combater algumas ameaças e problemas que, naquela época, as minerações provocavam.

Depois desta etapa inicial, chegaram à conclusão que a área dos condomínios, compreendida pelos vales dos córregos do Mutuca e do Gregório, necessitavam de especial atenção, pois já vislumbravam
uma possível especulação imobiliária e suas consequências ao rico, frágil e único ecossistema local, bem como necessitariam de educar os novos moradores e trabalhadores a conviver com esse ambiente.

Na segunda fase, a Promutuca fez o seu Plano Diretor, idealizou e realizou ações diversas de educação ambiental, de discussão com as mineradoras, prefeitura e órgãos de governo. Além disso, vale ressaltar que começou aí nossa briga contra o empreendimento Vila Castela II.

Porém, a Promutuca conta somente com voluntários; moradores dos condomínios, empresários, profissionais liberais que se dedicam, de alguma maneira, à causa. E faz parte de toda a história da Ong, aliás, de todas as Ong’s, que o voluntariado perde motivação ao longo dos anos. Isso nos faz concluir que, para maior efi ciência, a contratação de funcionários se faz necessária.

De 4 anos para cá, a Promutuca iniciou a terceira etapa. Vimos que a Promutuca necessitava de visibilidade, de ser conhecida pelos novos moradores da região, além, também, da sociedade, empresas e órgãos de governo. Desenvolvemos um planejamento estratégico que focasse em ações objetivas, efi cientes e duradouras em relação à preservação do vale.

Contratamos um profissional técnico para trabalho permanente, criamos as visitas técnicas, buscamos parceiros para doação de mudas, conseguimos novamente assento no Conselho da APA SUL e no FEGA, participamos ativamente da migração de títulos eleitorais para Nova Lima, bem como do próprio processo político da região. Integramo-nos a outras Ong’s locais e participamos de vários eventos e mobilizações na região, melhoramos nosso relacionamento
com órgãos ambientais, mantivemos diálogo com as mineradoras e criamos um Plano de Prevenção de Incêndios Florestais no vale. Além disso, desenvolvemos materiais de comunicação e informação como o próprio jornal da associação, colunas em jornais e revistas, manutenção do site, e de patrocínio e apoio a estudos e dissertações científicas e acadêmicas.

A Promutuca passou a ter uma dinâmica como uma empresa. E isso é fundamental para a causa, pois a preservação do meio ambiente, contrariando interesses, de maneira geral, privados, deve se comportar de modo extremamente profissional para seu êxito.

Neste mesmo tempo, iniciamos uma nova fase de pensamento estratégico. Decidimos buscar a consolidação do projeto do Corredor Ecológico do Vale do Mutuca, que será, acreditamos, o mais eficiente projeto que a região poderia receber. Passaremos a ser denominados, formalmente, uma região de proteção ambiental restringindo e organizando, legalmente, a ocupação de todo o vale.

Além disso, vislumbramos que a Promutuca possa ser, no futuro, um “Pool” técnico para atendimento a todos os condomínios, tendo em seus quadros, arquiteto, biólogo e fiscais, de modo que os condomínios possam utilizar esta estrutura para a análise e autorização de empreendimentos, distribuindo e reduzindo assim seus custos, além de padronizar e implantar uma política uniforme de gestão ambiental no vale.

Atualmente, a Promutuca apresenta como gastos correntes a manutenção de uma funcionária formada em Biologia, que, além de cuidar da gestão da Ong, realiza visitas técnicas, atende e acompanha as diversas denúncias que recebemos, visita órgãos ambientais, participa de reuniões, executa e acompanha trabalhos de campo, e auxilia na confecção dos veículos de divulgação. Além dela, temos o custeio de um advogado que acompanha os trabalhos do Villa Castela II, bem como, dentro das possibilidades, nos auxilia em outras questões jurídicas. Temos gastos em relação à confecção do jornal, telefones, conduções e outros. Chegamos
a contratar uma consultoria ambiental que realizou dois trabalhos de campo para determinação de nascentes e ocupação dos mesmos, do levantamento da situação do esgoto jogado no córrego do Gregório e os trabalhos de levantamento do Corredor Ecológico do Vale, mas não conseguimos manter seu contrato, apesar de todos os serviços contratados terem sido realizados.

Grande parte da “receita” da Promutuca é proveniente dos condomínios do vale. Desde o início de 2012, alguns moradores, voluntariamente, também passaram a contribuir, porém com valor pouco representativo. E, ao fi m do exercício, os enxutos gastos da Ong são cobertos sem qualquer folga pelas respectivas contribuições.

Não há margem de sobra, por exemplo, para contratarmos uma análise de água, a qual somos constantemente solicitados a realizar contra possíveis denúncias. Não podemos arcar com nenhum levantamento técnico mais qualifi cado para, não somente embasar nossas demandas judiciais, bem como também para estudos da própria área do vale do mutuca. O atendimento jurídico fica comprometido, pois nosso contrato vislumbra somente o acompanhamento do processo do Vila Castela II. Vale informar que, constantemente, somos solicitados a acompanhar denúncias, fi scalizações, reuniões e plenárias. E, lógico, uma boa base de sustentação, esta técnica, iria auxiliar muito e agilizar mais ainda, grande parte de nossas demandas.

Além disso, como já falamos, pretendemos, inclusive, ser no futuro um centro técnico de referência aos condomínios do vale, prestando serviço de apoio às análises, autorizações e fiscalização dos empreendimentos na região.

O que nos falta, atualmente, é o capital.

Desta forma, gostaríamos que refl etisse e, se possível, levasse à assembleia do seu condomínio uma proposta que substitua, inclusive a atual contribuição que este condomínio faz à Promutuca. Nossa sugestão é que cada condomínio contribua para a Promutuca junto com a contribuição mensal do seu condomínio. Essa contribuição poderia inclusive ser destacada no boleto do condomínio.

Sugerimos um valor que acreditamos ser pequeno aos condôminos: R$ 8,00, que entendemos, seria aprovado pelos mesmos, e
para a Promutuca representaria uma nova perspectiva de realizar suas ações planejadas. Ressaltamos que a aprovação desta contribuição substituiria a contribuição do condomínio à ONG.

Esta carta, inclusive, pode ser lida para os condôminos e, se julgar necessário, temos todo o interesse de expor, pessoalmente, nossa solicitação.

Para nós, tal situação nos daria condição de planejar e executar boa parte dos projetos e demandas que temos. Seria uma nova fase para a Promutuca.

Temos enorme expectativa de sucesso neste processo. Será, para nós, a demonstração do reconhecimento da comunidade local pelo trabalho da Promutuca e a necessidade de continuarmos com nosso trabalho.

Desde já, agradecemos muito a sua atenção.

 

Flávio Krollmann
Presidente da Diretoria Executiva da Promutuca