Portal Promutuca

Twitter Flickr YouTube Google Facebook

Mudanças climáticas: 2015, o ano da esperança!

A temperatura do planeta subiu cerca de 0,7 graus nos últimos 100 anos, segundo o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas – IPCC. Considerando tratar-se de um fenômeno mundial, há de se perguntar o que está acontecendo com o nosso planeta. Mais ainda, a situação é irreversível?

O que cada um de nós pode fazer diante desta realidade?
O meteorologista Ruibran dos Reis, mestre em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos, professor da PUC Minas e Diretor Regional da Climatempo-Minas, explica que o aquecimento global está ocorrendo desde o início da Revolução Industrial, em consequência do aumento de cerca de 40% na concentração de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera, que provoca o chamado efeito estufa. Os principais gases responsáveis pela intensificação do efeito estufa são: dióxido de carbono, óxido nitroso e metano.

Segundo o especialista, a situação é grave e a única solução é a diminuir a emissão desses gases. “Infelizmente o Protocolo de Quioto foi ratificado, mas não houve diminuição nas emissões. Estão ocorrendo reuniões para que se chegue a um novo tratado de diminuição em 2015, com metas para 2050 e 2100. Se não ocorrer diminuição dos gases, o planeta pode aquecer de 2 a 5 graus”, afirma.

Na Região Metropolitana de Belo Horizonte, que já foi considerada de clima ideal para a saúde, e hoje sofre com grande elevação da temperatura em algumas épocas do ano, além do fenômeno global, o principal problema é a diminuição das áreas verdes em função da urbanização.

Se não houver mudanças significativas na forma de administrar as cidades e, sobretudo, de tratar o Planeta, as consequências serão desastrosas. “O IPCC está prevendo o aumento de fenômenos catastróficos: furacões, tornados, intensificação das secas e aumento do nível do mar”, afirma o especialista, lembrando que em Minas Gerais já se observa um aumento de temporais, chuvas de granizos, fortes rajadas de ventos e intensificação da seca nas regiões
norte e nordeste.


 

DIVULGUE