Portal Promutuca

Twitter Flickr YouTube Google Facebook

Nova Diretoria Executiva reforça o compromisso da Promutuca com o meio ambiente

Eleita no último dia 24 de outubro juntamente com os novos componentes do Conselho Deliberativo, a Diretoria Executiva da Promutuca para o biênio 2010/2011 tem como Presidente a geóloga Gisele Kimura, autora do editorial desta edição. Especialista em águas subterrâneas, ela atua diretamente com a questão ambiental uma vez que a elaboração de estudos de impactos ambientais para a obtenção de licenciamentos e para a execução de planos diretores de recursos hídricos são alguns dos principais elementos de sua rotina profissional. Moradora do Condomínio Vila do Conde há cinco anos, Gisele Kimura desde a sua chegada ao Vale do Mutuca abraçou a causa da Associação. Primeiramente como Secretária Geral, e, em seguida, como Diretora de Educação Ambiental, cargo que exerceu até assumir a presidência da Diretoria Executiva da Associação.

Gisele Kimura - Presidente

Eleita no último dia 24 de outubro juntamente com os novos componentes do Conselho Deliberativo, a Diretoria Executiva da Promutuca para o biênio 2010/2011 tem como Presidente a geóloga Gisele Kimura, autora do editorial desta edição. Especialista em águas subterrâneas, ela atua diretamente com a questão ambiental uma vez que a elaboração de estudos de impactos ambientais para a obtenção de licenciamentos e para a execução de planos diretores de recursos hídricos são alguns dos principais elementos de sua rotina profissional. Moradora do Condomínio Vila do Conde há cinco anos, Gisele Kimura desde a sua chegada ao Vale do Mutuca abraçou a causa da Associação. Primeiramente como Secretária Geral, e, em seguida, como Diretora de Educação Ambiental, cargo que exerceu até assumir a presidência da Diretoria Executiva da Associação.



Maria das Graças Pinho Tavares - Secretária Geral

Maria das Graças Pinho Tavares, moradora do Bosque da Ribeira, exerce seu segundo mandato consecutivo como secretária geral da Promutuca. Ela é bacharel em Ciências Sociais e mestre em Antropologia Social, além de doutoranda em Ciência da Informação pela UFMG e professora do Instituto de Educação Continuada da PucMinas. Sua experiência e engajamento à  causa ecológica têm sido fundamentais para o sucesso das iniciativas preservacionistas efetivadas pela Associação favoráveis ao Vale do Mutuca, onde reside há 13 anos. Seu primeiro contato com a Associação ocorreu em 1998, quando a Promutuca atuou como intermediária na resolução dos problemas de assoreamento do Córrego do Canavial, causados pela instalação do Condomínio Vila Alpina, que afetaram principalmente os moradores do Bosque da Ribeira.
Maria das Graças passou a ser integrante da Promutuca em 2000, como membro do Conselho Consultivo. Em 2005, durante a gestão da saudosa presidente Juliana Gontijo Aun, foi eleita diretora de educação ambiental. "Foi um período profícuo da Promutuca. Obtivemos muitas conquistas nessa época, entre elas a reforma do estatuto da Associação, aprovada em assembléia geral extraordinária, além de diversas ações educativas como a implantação de sementeira de árvores nativas da região na Escola EDUC, a caminhada de limpeza do Córrego do Mutuca, e a reformulação do Plano Diretor do Vale do Mutuca discutido com os moradores e encaminhado à  Prefeitura Municipal de Nova Lima, entre outras”, ela conta. Maria das Graças Pinho Tavares diz que a nova Diretoria Executiva elaborou um plano de trabalho que trará grandes benefícios ao meio ambiente do Vale do Mutuca, e espera dos seus moradores muita participação nas ações a serem realizadas no próximo ano.


Ana Christina Figueiredo Naves de Carvalho - Diretora de Educação Ambiental

"A educação ambiental é um componente indispensável à  manutenção da qualidade de vida e ao equilíbrio da relação do homem com a natureza. É isso que devemos construir a cada dia. Aliar conscientização e ação é uma possibilidade de transformação ativa de nossa realidade ecologicamente incorreta”. A declaração é da nova Diretora de Educação Ambiental da Promutuca, Ana Christina Figueiredo Naves de Carvalho. Fotógrafa e professora da educação infantil, ela reside no Condomínio Vila Castela desde 1996. Mas, mesmo antes de sua chegada ao Vale do Mutuca, sempre acreditou na educação ambiental como meio para mudanças de paradigmas que resultem em benefícios ao meio ambiente.
Segundo ela, a biodiversidade é uma propriedade fundamental da natureza que precisa ser preservada para as futuras gerações devido ao seu inestimável potencial de benefícios sociais, econômicos e científicos. Para exemplificar, ela cita as contribuições da biodiversidade à  Medicina, entre eles o surgimento de medicamentos que têm em sua base de fabricação processos biológicos de organismos naturais, como é o caso da penicilina. "Se não preservarmos a natureza, além da fauna e da flora, perderemos também a possibilidade de novas descobertas em prol da saúde do ser humano”, diz. Ela acrescenta que, graças à  biodiversidade, foi-se o tempo em que o diagnóstico de doenças como a pneumonia e outras era praticamente um atestado de óbito.


Flávio Krollmann - Diretor Asministrativo Financeiro

Sustentabilidade e transparência. Estes são os dois principais objetivos da Promutuca para o próximo biênio, de acordo com o novo diretor Administrativo Financeiro, o administrador de empresas e engenheiro civil Flávio Krollmann.
Morador do Villa Alpina há três anos, ele se preocupa com a invasão desordenada do Vale do Mutuca, tanto pelos condomínios que avançam pelo Cerrado, matas e nascentes, quanto pela postura de moradores que escolhem morar na região mas, segundo ele, desrespeitam as normas ambientais tanto durante a execução das obras quanto, após o seu término, passam a residir no local. Flávio Krollmann afirma que para combater essas práticas e fortalecer a sua ação fiscalizadora, a Promutuca necessita de recursos, tanto para a coordenação dessas ações quanto para a remuneração de seu corpo jurídico. "Por isso, as contribuições dos condomínios e moradores são vitais para a Promutuca”, comenta. A transparência das contas e da administração, de acordo com o novo Diretor Administrativo Financeiro, também será uma das marcas de suas gestão.


Ricardo César dos Santos - Diretor de Meio Ambiente

O engenheiro civil Ricardo César dos Santos, novo Diretor de Meio Ambiente, reside em Nova Lima desde 1983. Ele conhece de perto os nichos de Mata Atântica e Cerrado localizados no município, inclusive no Vale do Mutuca, graças à  sua atuação profissional inicial no desenvolvimento de projetos e execução de residências unifamiliares. Na época, com o conceito de preservação ambiental inerente à  sua formação familiar e à  sua filosofia de vida, ele buscou no segmento da construção civil soluções que permitissem a integração harmônica do homem com o meio ambiente, sem intervenções que comprometessem os recursos naturais. Devido à  sua experiência nessa área, em 1991 atendeu ao convite do Governo do Estado do Amazonas para implantar nos municípios de Tefé, Caruari, Envira, Tarauacá e Eirunpê o projeto "Sistema de Escolas Agrícolas”, cujo principal objetivo era a urbanização sustentável do Vale do Juruá. Em 2000, de volta de sua jornada amazônica, Ricardo Santos conheceu a Promutuca, que praticamente acabara de renascer, e colaborou de maneira efetiva na execução de projetos desenvolvidos pela Associação naquela época, entre eles o do Córrego do Gregório.
A experiência adquirida em suas atividades, aliada à  oportunidade de participar da Promututuca, segundo Ricardo Santos, foram fatores determinantes para iniciar seus estudos na área de engenharia ambiental. Por esse motivo, se ausentou do seio do Vale do Mutuca. No entanto, mesmo à  distância, sempre acompanhou as reivindicações da entidade em favor do meio ambiente junto aos órgãos oficiais, e, segundo ele com especial atenção à s ações contrárias à  especulação imobiliária inescrupulosa representada pela perspectiva de implantação do Condomínio Vila Castela II. "É com muito orgulho e enorme satisfação que retorno em definitivo ao convívio com o Vale do Mutuca para defender os interesses comuns de nossa comunidade. O exercício da busca de um equilíbrio entre meio ambiente e desenvolvimento urbano de forma ética e comprometida é o legado que os integrantes da Promutuca deixaram ao longo de sua história, e que continuaremos a seguir”, assegura Ricardo Santos, morador do Condomínio Estância Serrana.